CidadesDestaque

Retorno de alunos às escolas tem baixa adesão na Rede Municipal do Rio

A volta às aulas registrou pouca adesão na manhã de terça-feira (17). Na Escola Municipal Orsina da Fonseca, na Tijuca, Zona Norte do Rio, apenas um aluno havia retornado à aula presencial, às 8h30, horário marcado para o início do turno, que será de 3 horas. Com aulas presenciais suspensas desde o dia 16 de março, os alunos do 9º ano do ensino fundamental da Rede Municipal de Educação começaram a retornar às escolas na terça-feira (17), conforme o desejo das famílias. São 61 mil alunos destas turmas, que estudam em 427 unidades. As famílias decidem se retornam ou não.

A musicista Diana Nascimento d’Ávila, 35, é mãe de uma aluna de 14 anos da Escola Municipal Vicente Licínio Cardoso, na Praça Mauá, Região Central, que decidiu não retornar. Ela conta que a filha tem asma e diz que a maioria das mães não concorda com a volta. Diana ressalta que um diretor da unidade faleceu este ano por covid-19.

“Flor tem asma, então não vai voltar. Mas, a maioria das mães da escola é contra o retorno porque entende que coloca a vida da comunidade escolar em risco. O diretor da escola faleceu por covid este ano, o Professor Niverton. Outras mães, concordam com a volta, preocupadas com a defasagem pedagógica”, conta a mãe. Diana critica a qualidade do ensino remoto para o segmento.

O retorno é apenas para os alunos dos anos finais do Ensino Fundamental – 9º ano, último ano do Programa de Educação de Jovens e Adultos (PEJA) e do Carioca 2 (projeto de correção de fluxo) das escolas públicas municipais cariocas. Professores, alunos e demais profissionais de Educação que tenham comorbidades não voltarão para as aulas presenciais. Pais, responsáveis e alunos podem optar pela aula de forma remota.

Estas aulas presenciais acontecerão em quatro dias da semana – às segundas, terças, quintas e sextas-feiras. As turmas são divididas em grupos A e B para evitar aglomerações, segundo a pasta. Serão três horas de aulas por dia, nos turnos da manhã e da tarde para o 9º ano. E à noite para o PEJA. Nas quartas-feiras haverá um reforço na higienização das unidades escolares, que já passam por limpezas regularmente nos demais dias.

Sindicato mantém greve

Os professores e demais servidores da rede municipal de ensino do Rio decidiram, em assembleia virtual nesta segunda-feira, manter a greve da categoria. Os profissionais de Educação argumentam que a paralisação é “em defesa da saúde e da vida e contra o retorno das atividades presenciais escolares, com a manutenção das atividades remotas”.

Na assembleia foi definido também um calendário de ações da categoria: nesta terça-feira, será solicitada a realização de audiência pública à Comissão de Educação da Câmara de Vereadores. Os professores também enviarão ofício à Comissão de Educação da Alerj.

Na quarta-feira, haverá uma manifestação simbólica “em defesa da vida”, às 11h, na sede da prefeitura. Na ocasião, os educadores vão cobrar a divulgação da data de pagamento do 13º salário.

Na quinta-feira, dia 19, haverá uma plenária virtual da comunidade escolar, às 18h. E na segunda-feira, dia 24, às 11h, nova assembleia on-line da rede municipal do Rio.

Profissionais infectados

Nenhuma escola, diz a pasta, ficará fechada hoje devido à contaminação de profissionais da Educação. Apenas seis unidades escolares do total da Rede Municipal de Ensino (0,4%) foram fechadas temporariamente para higienização após profissionais relatarem que tiveram contato com pessoas contaminadas ou que apresentaram sintomas. Estes profissionais foram afastados e assim ficarão durante todo o ciclo da doença.

Foram seis profissionais, um de cada unidade, segundo a SME. Aqueles que já cumpriram quarentena e estão aptos a retornar deverão estar presentes nas escolas.

O protocolo sanitário determina que a direção e os setores administrativos atuem em sistema de rodízio de equipes no cuidado das escolas. Portanto, as equipes do rodízio que não tiveram contato com a doença procedem normalmente com o trabalho.

Protocolos de segurança

A Secretaria Municipal de Educação afirma que os protocolos de segurança indicados pela Vigilância Sanitária serão cumpridos para garantir a segurança da comunidade escolar. Haverá redimensionamento dos espaços utilizados e disponibilização dos produtos necessários para a higienização pessoal e do ambiente escolar, como máscaras, álcool em gel e sabonete líquido, entre outros itens. O retorno de outras turmas se dará após uma avaliação desta retomada inicial do 9º ano, PEJA e Carioca 2, com comunicação posterior para os demais estudantes.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo