Geral

O CENTENÁRIO DE ZÉ DANTAS

Um dos filhos mais ilustres de Carnaíba, no sertão do Pajeú, o médico e compositor Zé Dantas – parceiro de muitas canções marcantes do rei do Baião Luiz Gonzaga – faria 100 anos em 2021. José de Souza Dantas Filho, que assumiu o nome artístico de Zedantas, nasceu no dia 27 de fevereiro de 1921, quando Carnaíba ainda era uma vila do município de Flores.

Pai da juíza Sandra Elali e avô da cantora Marina Elali, Zé Dantas ficou famoso como parceiro de Luiz Gonzaga em “Vem morena” e “Forró de Mané Vito”. Mas foi boa parte da MPB (Ivon Curi, Gil, Marisa Monte, Wilson Simonal e outros) que tornou seu “Xote das meninas” um grande sucesso. Era filho de José de Sousa Dantas, fazendeiro, comerciante e ex-prefeito da cidade de Flores, e de Josefina Alves Siqueira Dantas.

Faleceu precocemente em 11 de março de 1962. Nos seus 41 anos de vida, no entanto, ele só perde para Alceu Valença como compositor pernambucano que mais deu clássicos à MPB: “Sabiá”, “Xote das Meninas”, ‘Vem Morena”, “Algodão”, “Riacho do Navio”, “Acauã”, “Vozes da Seca”, “ABC do Sertão”, “Noites Brasileiras”, “Minha Fulô”, “Dança da Moda” e muitos outros sucessos.

Trajetória

Ainda jovem Zé Dantas veio estudar no Recife, no Colégio Americano Batista. Com 17 anos já compunha xotes, baiões e toadas e escrevia crônicas sobre folclore que eram editadas na Revista Formação no colégio.

Em 1947, em Recife, conhece Luiz Gonzaga (1912-1989), famoso pela popularização de ritmos nordestinos, adaptados aos moldes da música comercial urbana do Rio e Janeiro com a ajuda do parceiro Humberto Teixeira (1915-1979). A canção Vem Morena é a sua primeira parceria com Luiz Gonzaga, lançada em 78 rpm, em 1950. Recém-formado, Zé Dantas muda-se para a cidade do Rio de Janeiro no início de 1950 para trabalhar como residente do Hospital dos Servidores do Estado, ao qual se vincula mais tarde como funcionário público. Na bagagem, traz de Pernambuco muitas ideias para a composição em parceria com Luiz Gonzaga de baiões como ‘A Volta da Asa Branca’, ‘A Dança da Moda’ e ‘Forró de Mané Vito’, gravadas em 1950. O sucesso das gravações faz com que Dantas, Humberto Teixeira e o Rei do Baião participem do programa ‘No Mundo do Baião’, nos estúdios da Rádio Nacional, em 1951. Nele, o compositor conta histórias e imita personagens típicos do sertão nordestino.

Nos anos 1950, Luiz Gonzaga grava em discos de 78 rotações diversas composições em parceria com Zé Dantas, como ‘Xote das Meninas’, ‘Vozes da Seca’ e ‘A Letra I – homenagem à esposa Iolanda Dantas’ – (todas de 1953), ‘Riacho do Navio’ (1955), ‘o coco Derramaro o Gai’ (1950) e ‘Siri Jogando Bola’ (1956), entre outros. Além de Luiz Gonzaga, suas composições também são gravadas por Jackson do Pandeiro (1919-1982), que interpreta Forró em Caruaru (1955); Ivon Curi (1928-1995), com ‘Farinhada ‘(1955) e ‘O Xem-Nhem-Nhem’ (1958); e Marinês (1935-2007),  intrepretando ‘Cadê o Peb’a (1961) e ‘O Bom que o Coco Tem’, (1962).

Em 1959, é lançada a coletânea Luiz Gonzaga Canta Seus Sucessos com Zé Dantas, destacando-se Sabiá, O Xote das Meninas, Vozes da Seca e Cintura Fina.

Zé Dantas morre em 1962 e, no ano seguinte, o Luiz Gonzaga grava o compacto Homenagem a Zédantas, com duas composições do parceiro, A Profecia e Xô Pavão, e duas exaltações a ele por outros autores, Homenagem a Zé Dantas (Antônio Barros, 1930) e Zé Dantas (Onildo Almeida, 1928).

As canções de Zé Dantas, especialmente as compostas com Luiz Gonzaga, são gravadas por vários artistas: O Xote das Meninas por Wilson Simonal (1939-2000) e Marisa Monte (1967); Vem Morena por Alceu Valença (1946) e Gilberto Gil (1942); Riacho do Navio por Carmélia Alves (1923-2012), Fagner (1949) e Maria Bethânia (1946); A Volta da Asa Branca por Dominguinhos (1941-2013) e Hermeto Pascoal (1936); Acauã por Gal Costa (1954) e Quinteto Violado.

Em 2003, é lançado o CD Todos Cantam Zé Dantas & Luiz Gonzaga!, reunindo interpretações de suas obras por artistas como Chico Buarque (1944), Elba Ramalho (1951) e Marina Elali (1982), cantora e neta de Zé Dantas, que chega a fazer uma versão pop em inglês para ‘O Xote das Meninas’(All She Wants).

Família

Zé Dantas foi casado com a pernambucana Yolanda Dantas (1931-1917) entre os anos de 1954 e 1962, ano de sua morte. O casal teve três filhos.

A Cantora Marina Elali que foi revelada no programa Fama, da Rede Globo, é neta de Zé Dantas e já gravou e canta algumas músicas compostas por seu avô.

Morte

Em 1961, quando estava na fazenda de Luiz Gonzaga, em Miguel Pereira, região serrana do Rio de Janeiro, Zé Dantas rompeu o tendão do pé.

Depois de um ano, tomando fortes remédios para sanar as dores constantes, Zé Dantas teve os rins comprometidos e faleceu no Rio de janeiro, no dia 11 de março de 1962.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo