DestaquePolítica

Dr. Serginho cumpre extensa agenda na Região dos Lagos

Entre os compromissos está a inauguração da nova unidade do Instituto Médico Legal de Cabo Frio, fechado desde 2016

O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), Dr. Serginho, terá uma extensa agenda na próxima sexta-feira (09). O secretário participará de inaugurações de obras importantes na Região dos Lagos do Rio. Dr. Serginho passará por Cabo Frio, Iguaba Grande e São Pedro da Aldeia.

A partir das 9h, o secretário marca presença na inauguração da sede do FAETEC, localizada no bairro Cidade Nova, em Iguaba. A Fundação de Apoio à Escola Técnica (Faetec) é uma rede de ensino do Estado do Rio de Janeiro que oferece diversos cursos profissionalizantes de forma gratuita.

Em seguida, às 10h30, Dr. Serginho estará presente no lançamento da Pedra Fundamental do Cinema de São Pedro da Aldeia. O cinema, que será executado com recursos federais da Agência Nacional de Cinema (ANCINE), será construído em um terreno de mais de dois mil metros quadrados, localizado no bairro Nova São Pedro, ao lado do Teatro Municipal. O Termo de Cooperação Técnica entre a Prefeitura de São Pedro da Aldeia e a Secretaria Estadual de Cultura foi assinado pelo prefeito Cláudio Chumbinho em agosto de 2017.

Ainda em São Pedro, a comitiva da SECTI visita às obras do novo Centro de Abastecimento de São Pedro da Aldeia (CEASP). O empreendimento promete ser uma referência no segmento e espera atender, ao menos,14 municípios e um milhão de pessoas. A partir da inauguração, prevista para acontecer em agosto, o CEASP estima aquecer a economia e gerar mais dois mil empregos diretos e indiretos.

APÓS 5 ANOS, IML DE CABO FRIO VOLTA A FUNCIONAR

Dando fim ao sofrimento de diversas famílias, que precisavam passar por uma verdadeira romaria para reconhecimento de corpos e obtenção de laudos cadavéricos, nesta sexta-feira (09) será inaugurado a nova unidade do Instituto Médico Legal de Cabo Frio.  A solenidade conta com a participação do secretário da SECTI e está prevista para acontecer a partir das 14h30, na Jonas Garcia, em Cabo Frio.

A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado (SECTI), por meio da Faperj, financiou a reforma que permitiu a reabertura do local. O governador Cláudio Castro, o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Dr. Serginho, e o secretário de Polícia Civil, delegado Allan Turnowski, assinaram em maio deste ano o termo de cooperação técnica para a reabertura do órgão. O presidente da Faperj, Jerson Lima da Silva, também esteve na solenidade.

ENTENDA – Fechado há quase cinco anos, o IML estava sem serviços de necropsia. As atividades foram suspensas em abril de 2016 para reforma, cujas obras são de responsabilidade do governo do Estado. A necropsia é um exame que precisa ser feito em casos de morte violenta ou de causa desconhecida para apresentar informações importantes que ajudam em investigações.

Na ocasião em que foi fechado para os reparos, uma placa chegou a ser instalada mostrando o valor da obra, mas sem informar data de finalização desse serviço, que começou a ser feito e depois parou.

Desde a paralisação da atividade na unidade cabo-friense, as necropsias estavam sendo realizadas na unidade de Araruama, que suspendeu as atividades em maio de 2020. Desde então, os serviços são feitos em Macaé e São Gonçalo, de acordo com a proximidade de cada ocorrência.

A alta demanda para exames de necropsia, que precisam ser feitos em casos de morte violenta ou de causa desconhecida, como forma de ajudar nas investigações, afetou o posto de Macaé. A unidade passou a receber também os corpos das cidades de Arraial do Cabo, Búzios, São Pedro da Aldeia, Araruama e Cabo Frio. Segundo informações, a média de exames de Macaé que eram cerca de 500 por ano antes do fechamento dos IML´s de Cabo Frio e Araruama chegaram a quase 900 no ano de 2020.

A demanda aumentou de 400 para 800 necropsias em média por mês, sem contar no deslocamento das famílias, ainda mais em época de pandemia e com as barreiras sanitárias. A precariedade do local tem gerado atraso na realização das necropsias e, consequentemente, nos sepultamentos, além de esgotamento físico e mental dos profissionais.

 

la.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo