Geral

O talento de Joe Satriani, guitarrista do Deep Purple

O guitarrista e compositor estadunidense, Joseph “Joe” Satriani, completa 65 anos nesta quinta-feira (15). Considerado virtuoso em seu instrumento, Satriani é o músico de rock instrumental que mais vendeu discos na história com mais de 10 milhões de discos vendidos. Em novembro de 2015, Satriani foi contemplado com o prêmio “The Maestro” durante o 11ª Annual Classic Rock Roll of Honour Award.

De seus vários álbuns solo, dois chegaram a disco de platina e outros quatro a disco de ouro, com 15 indicações ao Grammy entre eles.

Sua música é tão eclética que não se pode englobá-lo num só estilo musical. Às vezes soa rock and roll, às vezes blues, progressivo, pop. Por isso, o próprio Satriani definiu seu estilo como “Joe Satriani Music”.

O talento de Joe Satriani vai além da música. Em 2021, o guitarrista do Deep Purple lançou uma série em quadrinhos intitulada ‘Crystal Planet’. Com enredo voltado para a música, a obra foi criada pelo guitarrista em parceria com Ned Evett. A série teve inicialmente cinco edições, impressas em formato de luxo para colecionador. O lançamento oficial ocorreu em março, mas a pré-venda foi iniciada em janeiro, sendo que apenas 1998 cópias vão ser feitas (não é coincidência: esse foi o lançamento do álbum homônimo do guitarrista). Além da HQ, a série Crystal Planet tem ainda uma action figure de Satriani.

 

CARREIRA

Descendente de família italiana, Satriani, nasceu em Westbury (Nova Iorque) em 1956. Seu primeiro contato com a música foi com a bateria, aos 9 anos. Aprendeu a tocar folk, blues e jazz com o pai, tio e amigos. Foi inspirado a tocar guitarra aos 14 anos, após ouvir a notícia de que Jimi Hendrix havia morrido (ele estava jogando futebol americano, quando ouviu a notícia pelo rádio. Neste momento, ele abandonou a aula, e comunicou ao seu treinador que estava saindo do time para se dedicar à guitarra). Assim, começou a ter aulas de violão e guitarra com Bill Westcott. Mais tarde, aprimorou suas técnicas com o guitarrista de jazz Billy Bauer, e teoria musical com o pianista de jazz Lennie Tristano, que exerceram grande influência na técnica e musicalidade do Satriani. Foi nesta época que Satriani começou a excursionar na cidade de Long Island com sua primeira banda, um grupo de dança colegial chamado “Justice”.

Ainda durante seu tempo como estudante de 1os e 2os graus (ele estudou no Carle Place High School), Satriani tocou numa banda chamada “Tarsus”, que, segundo o próprio, “foi sua primeira banda de verdade”.

Em 1971, Joe começou a dar aulas, inclusive para um aluno ilustre, Steve Vai, que depois viria a se destacar tocando com Frank Zappa, Dave Lee Roth, entre outros. Morando na cidade de Berkeley, na California, já tinha um certo nome como professor, dando aulas também para Kirk Hammett (Metallica), Larry LaLonde (Possessed, Primus) entre outros.

Em 1979, Joe monta a banda pop The Squares. Junto com ele estava Andy Milton no baixo e Jeff Camipelli na bateria. Este último voltaria depois a tocar com Joe.

Em 1984 lançou seu primeiro álbum (EP), que levava o nome de sua esposa, Rubina.

Seu próximo álbum, intitulado Not Of This Earth foi lançado em 1986 pela Relativity Records e foi seu primeiro álbum completo (LP). Quem conseguira o contrato com a Relativy Records fora Steve Vai, seu antigo aluno.

O álbum que levou Joe Satriani aos famosos “top 10” de todo mundo, foi lançado em 1987, e levou o nome de Surfing With The Alien, Joe já era conhecido em todo o mundo e o álbum inclusive recebeu discos de platina em vários países. Já conhecido como um dos melhores guitarristas do mundo, aparecia nas capas de quase todas as revistas que falavam sobre guitarra ou música. Surfing With Alien pode ser considerado um dos álbuns instrumentais mais bem sucedidos de todos os tempos.

Em 1988, a Relativy fez uma nova prensagem do álbum Not Of This Earth com uma nova capa, pois o álbum já havia se esgotado, tamanho o sucesso das vendas. Se sucederam álbuns excelentes gravados por Satriani, Dreaming #11 (1988), Flying In A Blue Dream (1989), The Extremist (1992), Time Machine (coletânea dupla, com um CD de estúdio e outro ao vivo), entre outros.

Joe já era tido como um dos “deuses” da guitarra, admirado por muitos apreciadores da boa música e também por surfistas, pela faixa Summer Song, definitivamente, o seu maior hit. Outro fato interessante, é que todos os álbuns, desde Surfing With The Alien até The Extremist, foram indicados para o Grammy. Joe também tocou com alguns outros artistas conhecidos, sua primeira grande tour em 1988 foi abrindo para os The Rolling Stones, a convite do próprio Mick Jagger.

Em 1994, tocou junto com o Deep Purple, quando o guitarrista Ritchie Blackmore saiu da banda. Não gravou nenhum álbum com o Deep Purple, fez somente uma tour pela Europa e Japão.

Em 1995 lançou seu sétimo álbum, que levava seu próprio nome e hoje em dia, é o seu preferido.

Em 1996 montou um grande projeto que foi batizado G3, junto com ele estava Eric Johnson e Steve Vai. No G3 cada um dos três tocavam 3 músicas de seus álbuns solos, quase sempre na ordem Satriani, Johnson e Vai, depois os 3 se juntavam para sensacionais jam-sessions. Por enquanto o único registro do G3 é o álbum ao vivo, Live In Concert. A faixa Summer Song, gravada ao vivo, foi indicada para o Grammy.

Em 1997, o G3 já tinha algumas mudanças, Eric Johnson saiu, e dessa vez quem tocava com Vai e Satriani, era Robert Fripp e Kenny Wayne Shepherd.

Em 1998, Joe lançou mais um álbum de sua carreira solo, dessa vez intitulado Crystal Planet, álbum que mantem o estilo de Satriani, se alternando entre baladas, rocks, pops, blues. produtor foi Mike Fraser, do G3, e a banda que toca no álbum é também a mesma do G3, com Satriani, Stuart Hamm (baixo) e Jeff Campitelli (bateria).

Em 2000, Joe lançou mais um disco, Engines of Creation, recheado de experimentalismo, expandindo os parâmetros de sua música, incluindo ainda ‘misturas’ com alguns estilos. Até o drum’n’bass e o hip-hop foram usados. O álbum, quando ouvido pela primeira vez, não parece um típico ‘álbum de guitarra’, mas, quando Joe entra com seus solos, a mágica ainda está lá.

Em 2001, Satriani lança um disco duplo ao vivo, gravado na sua cidade-natal, na histórica casa de shows ‘Fillmore’, chamado Live In San Francisco. Segue o disco, ainda, o lançamento de um DVD duplo, do mesmo show, contendo imagens inéditas da tour e dos backstages.

Depois do polêmico Engines Of Creation, Joe volta com tudo em 2002 no lançamento do CD “Strange Beautiful Music”, que marca o retorno do poderoso rock instrumental a que os fãs estavam acostumados, contando inclusive com uma música cover (“Sleep Walk”) e a participação de Pia Vai (esposa de Steve Vai) tocando harpa na faixa “Chords Of Life”. Destaque para a banda que acompanha Joe, ótimas linhas de baixo e bateria (especialmente em “The Traveler”).

Em fevereiro de 2004, é lançado o CD duplo ao vivo “G3 – Rockin’ In The Free World”, com a participação aclamada de Yngwie Malmsteen, assim como o lançamento do DVD “G3 – Live In Denver”. A novidade é que o setlist do CD é diferente do DVD, o que presenteia duplamente os fãs que aguardavam material novo do “careca mais adorado da música”.

Joe nem dá tempo de nos saciarmos com o CD do G3 e em abril de 2004 lança seu novo álbum de estúdio, chamado de “Is There Love In Space?”, trazendo músicas inovadoras e “estranhas porém bonitas” como no CD de 2002. Palavras de Joe Satriani sobre o novo CD: “Vocês já viram o meu lado virtuose, já viram meu lado blues, já viram meu lado metaleiro, mas esse CD mostra de uma vez por todas meu lado rockeiro”. Definitivamente é um dos melhores (senão O MELHOR) álbum de sua carreira.

No início de 2005, é disponibilizado na internet um show de Satriani em Anaheim, transmitido pelo quicktime player, não disponível em CD ou DVD, mas que (por ser livre de diretos autorais) aparece rapidamente na internet em formato CD e AVI, inclusive distribuído pelos fãs no maior fórum não-oficial do Satriani na seção bootlegs (raridades). Com um setlist que traz coisas mais comuns aos fãs mais íntimos da carreira do músico, como “Strange”, “War” e “Morrocan Sunset”, traz também versões com arranjos novos de “Searching” e “Bamboo”, além da sempre divertida “Psycho Monkey”. Se você não tem, baixe. É grátis, tem no emule e serve para você que não conhece Joe Satriani e não tem dinheiro pra comprar uma coletânea. Infelizmente, esse show não encontra-se mais para streaming no site realizador do evento.

Em outubro de 2005, é lançado mais um registro ao vivo do G3, dessa vez intitulado “G3 – Live In Tokyo”, acompanhado do DVD (mesmo áudio do CD) e contando com a participação de John Petrucci, guitarrista do Dream Theater, tocando músicas de seu álbum instrumental solo.

Nesse mesmo fértil ano de 2005, Joe grava 42 músicas para a trilha do jogo de PS2 “Nascar 6: Total Team Control”, sendo que há duas faixas de longa duração. A Electronic Arts pretende lançar até o final do ano a trilha separada do jogo, para a alegria do fãs que já estão sedentos por material novo de estúdio de Joe.

Em 2008, Satriani e o grupo Coldplay tiveram um certo desentendimento devido a trechos da música “Viva La Vida” semelhantes a “If I Could Fly”, de Satriani.

Ele também chegou a compor várias músicas para o jogo de videogame NASCAR 06: Total Team Control, além disso gravou vários DVDs.

Em 1978, mudou-se para Berkeley (Califórnia), onde mais tarde iria graduar-se na renomada Berkeley Music Institute. Foi nesta época que começou a dar aulas de guitarra, e a ficar conhecido como professor. Ensinou renomados instrumentistas, tais como: Alex Skolnick (Testament), Kirk Hammett (Metallica), Steve Vai, David Bryson (Counting Crows), Kevin Cadogan (Third Eye Blind), Larry LaLonde (Primus e Possessed), Rick Hunolt (ex-Exodus), Phil Kettner (Lääz Rockit), Geoff Tyson (T-Ride), Charlie Hunter, David Turin e Eric Kauschen.

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo