Geral

Miles Davis, o homem que revolucionou o jazz – várias vezes

Sem o excêntrico e imprevisível trompetista, a história da música americana seria totalmente outra. Miles Davis foi um músico norte-americano.

Considerado um dos mais influentes músicos do século XX, Davis esteve na vanguarda de quase todos os desenvolvimentos do jazz desde a Segunda Guerra Mundial até a década de 1990. Ele participou de várias gravações do bebop e das primeiras gravações do cool jazz. Foi parte do desenvolvimento do jazz modal, e também do jazz fusion que originou-se do trabalho dele com outros músicos no final da década de 1960 e no começo da década de 1970.

Miles Davis pertenceu a uma classe tradicional de trompetistas de jazz, que começou com Buddy Bolden e desenvolveu-se com Joe “King” Oliver, Louis Armstrong, Roy Eldridge e Dizzy Gillespie. Ao contrário desses músicos ele nunca foi considerado com um alto nível de habilidade técnica. Seu grande êxito como músico, entretanto, foi ir mais além do que ser influente e distinto em seu instrumento, e moldar estilos inteiros e maneiras de fazer música através dos seus trabalhos. Muitos dos mais importantes músicos de jazz fizeram seu nome na segunda metade do século XX nos grupos de Miles Davis, incluindo: Joe Zawinul, Chick Corea e Herbie Hancock, os saxofonistas John Coltrane, Wayne Shorter, George Coleman e Kenny Garrett, o baterista Tony Williams e o guitarrista John McLaughlin.

Como trompetista Davis tinha um som puro e claro, mas também uma incomum liberdade de articulação e altura. Ele ficou conhecido por ter um registro baixo e minimalista de tocar, mas também era capaz de conseguir alta complexidade e técnica com seu trompete.

Em 13 de Março de 2006, Davis foi postumamente incluído no Rock and Roll Hall of Fame. Ele foi também incluído no St. Louis Walk of Fame, Big Band and Jazz Hall of Fame, e no Down Beat’s Jazz Hall of Fame.

Kind of Blue tem sido citado como o álbum de Miles Davis mais vendido da sua carreira, bem como o álbum de jazz mais vendido da história. Em 7 setembro de 2008, o álbum foi certificado pela RIAA (Associação das Indústrias Fonográficas Americanas) com um álbum de platina quádruplo. Kind of Blue é também reconhecido por muitos fãs, críticos e ouvintes de jazz como o maior álbum de jazz de todos os tempos, frequentemente alcançando o topo listas de “melhores álbuns” de vários outros gêneros além do jazz.

Em 2002, a gravação do álbum foi uma das 50 escolhidas naquele ano para o Registro Nacional de Gravações da Biblioteca do Congresso Americano. E Em 2003, o álbum foi classificado em 12º lugar pela revista Rolling Stone em sua Lista dos 500 melhores álbuns de sempre. Em 30 de setembro de 2008 um box do 50º aniversário de lançamento do álbum foi lançado pela Columbia/Legacy Records.

 

BIOGRAFIA

Miles Dewey Davis III nasceu em Alton, no estado de Illinois, nos Estados Unidos, no dia 26 de maio de 1926. Filho de um dentista e de uma pianista com dois anos mudou-se para East St. Louis, onde seu pai iniciou o trabalho como cirurgião dentista. Aos 13 anos começou seus estudos musicais com Elwood Buchanan após receber um trompete de presente do pai.

Com 16 anos, Miles Davis integrava um grupo de músicos que já trabalhavam profissionalmente. Em 1944 mudou-se para Nova Iorque. Trabalhou por duas semanas com o grupo de Billy Eckstine Band e em seguida matriculou-se no Juilliard School of Music. Durante o dia estudava e na noite ganhava experiência se dedicando ao “be bop” (uma das correntes mais influentes do jazz), ao lado de Charles Parker, Charles Mingus, Dizzy Gillespiey, Fats Navarro e Max Roach.

Em 1945 fez suas primeiras gravações com o cantor de blues, Williams e o saxofonista Herber Fields. Pouco depois deixou a escola de música e juntou-se ao quinteto de Charlie Parker, aparecendo em diversas gravações.  Em 1948 iniciou seu próprio conjunto, formado por nove músicos que se apresentaram no Royal Roost Club e logo assinou contrato com a Capital Records.

Entre 1949 e 1950 lançou vários singles, com arranjos de Gil Evans, Gerry Mulligan e John Lewis. Foi o começo da uma parceria com Gil Evans que se prolongou por vinte anos. Em 1949 se apresentou no Paris Jazz Festival. Em 1957 lançou o álbum “Birth of The Cool”. Nessa década, se tornou um dos maiores expoentes do “Coll Jazz”. Na década de 60, com a aparição do Free-jazz, Davis manteve-se fiel ao Cool Jazz.

Após superar o vício da heroína, iniciado em 1950, Miles Davis fez uma série de importantes gravações, reunidas nos álbuns: “Bag’s  Grove” (1957), “Porgy and Bss” (1958) e “Sketches os Spain” (1960). Em 1967 seu quinteto definitivo estava formado, com pianista Herbie Hancock, o saxofonista Wayne Shorter, o baixista Ron Cartere o baterista Tony Williams, além do próprio Davis, que se tornaram mestres de sua arte. O quinteto está entre os grupos mais notáveis da história do Jazz.

Em 1970 Miles Davis lançou sua gravação mais comercial “Bitches Brew”, considerado por muitos como o álbum mais revolucionário da história do jazz.

Miles Davis faleceu em Santa Mônica, Califórnia, Estados Unidos, no dia 28 de setembro de 1991, em consequência de uma pneumonia. No dia 19 de fevereiro de 1998 foi homenageado com uma estrela na Calçada da Fama.

 

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo