Esportes

Duplas brasileiras conhecem adversários nas Olimpíadas

As duplas que irão representar o Brasil no torneio de vôlei de praia das Olimpíadas de Tóquio conheceram seus adversários na competição. Os grupos foram definidos em sorteio realizado na segunda-feira (05), em Moscou, na Rússia. A primeira fase da disputa olímpica vai de 24 a 31 de julho, com as rodadas eliminatórias disputadas de 1º a 7 de agosto.

Na competição feminina, Ágatha e Duda (BRA) estão no Grupo C, ao lado de Bansley/Brandie (CAN), Wang/Xia (CHN) e Gallay/Pereyra (ARG). “Na verdade, sabemos que não existe jogo fácil nas Olimpíadas, mesmo as equipes que se classificaram através da Continental Cup, que estão em posições mais baixas no ranking, demonstraram em seus jogos que têm total condição de vencer. Acredito que essa edição dos Jogos é uma das mais equilibradas de todos os tempos, a alternância dos pódios deste ano no Circuito Mundial é a prova disso. Seguimos confiantes de colocar em prática tudo aquilo que treinamos ao longo deste ciclo olímpico”, afirmou Marco Char, técnico da dupla brasileira.

Ana Patricia e Rebecca (BRA) jogam no Grupo D, ao lado de Claes/Sponcil (EUA), Kravcenoka/Graudina (LET) e Makokha/Khadambi (QUE). “Estamos em Gstaad e fiz questão de assistir ao sorteio aqui. E nosso grupo é um grupo forte. Tem o time do Quênia, que é o quarto colocado da chave e vai ser nosso primeiro jogo, que é considerado mais fraco que os outros, mas é um time que vem pela Continental Cup e vem forte. Os outros dois times, os Estados Unidos e a Letônia, são dois times que já jogam o Circuito Mundial. Inclusive esse time dos Estados Unidos é perigosíssimo e ganhou as duas últimas competições do Circuito Mundial. E a Letônia ganhou o pré-olímpico lá na China. São dois times fortíssimos, já vai dar muito ritmo de jogo entre eles dois no primeiro jogo, e vão vir com um ritmo muito forte contra a gente. Mas a gente tem que estar preparado para todas as situações”, destacou o técnico Reis Castro.

No torneio masculino, Alison e Álvaro Filho (BRA) estão no Grupo D, ao lado de Brouwer/Meewsen (HOL), Lucena/Dalhausser (EUA) e Azaad/Capogrosso (ARG). “Como esperado, os grupos são bem equilibrados. No vôlei de praia, existe um equilíbrio muito grande entre os times. Nosso grupo tem Holanda, bronze nas últimas Olimpíadas, Estados Unidos, um time experiente e quinto colocado em 2016, e Argentina, que é uma equipe que tem crescido muito nos últimos anos. Um grupo forte, como acontece normalmente nas Olimpíadas, e que terá jogos muito disputados e o detalhe fará diferença”, disse Leandro Brachola, treinador de Alisson/Álvaro.

Bruno Schmidt e Evandro (BRA) caíram no Grupo E, ao lado de Fijalek/Bryl (POL), Marco Grimalt/Esteban Grimalt (CHI) e Elgraoui/Abicha (MAR). “A chave é bem dura. Os poloneses têm um time muito forte e é experiente, e o Chile tem um time muito bom em todos os fundamentos. Marrocos será uma surpresa, já que não jogam regularmente o Circuito Mundial. Nosso time vem crescendo com a recuperação do Bruno em relação ao Covid-19 e vamos chegar em Tóquio com força total”, declarou o técnico Ednilson Costa.

Em 18 das 33 modalidades em que o Brasil tem nomes qualificados para os Jogos Olímpicos, 100% dos atletas integram o Bolsa Atleta. É o caso do vôlei de praia, modalidade em que todos os convocados pertencem à categoria mais alta do programa, a Pódio.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo