Com águas cristalinas, Alter do Chão, no Pará, é o Caribe da Amazônia

0
57

A praia de Alter do Chão está entre as dez mais bonitas do Brasil.

O acesso à vila é feito de barco ou avião até Santarém, oeste do Pará.

 

O lugar é lindo e encanta brasileiros e estrangeiros. Alter do Chão, no oeste do Pará, é a primeira entre os dez lugares com as praias mais bonitas do Brasil, segundo o jornal inglês The Guardian. O jornal também aponta o lugar como o mais bonito do mundo com praias de águas doces. Perfeita para relaxar, a natureza foi bem generosa com a vila de pescadores, que pertence à cidade de Santarém. O cenário é paradisíaco e guarda uma beleza única, já que suas praias são às margens do rio Tapajós.

De clima equatorial, quente e úmido, Alter do Chão é uma aldeia de pescadores com praias de areia fina e águas claras, e é o principal ponto turístico de Santarém. Em tempos de férias o ‘Caribe da Amazônia’, como também é conhecida, não pode faltar no roteiro de brasileiros e estrangeiros.

Alter do Chão é o lugar ideal para aproveitar o ‘verão amazônico’, que acontece entre os meses de agosto a dezembro. O mês de setembro é a melhor época para visitar a localidade, é quando o volume de água diminui e formam bancos de areia e praias, que ficam mais visível devido a vazante do rio Tapajós. A temperatura em setembro também fica mais amena.

Entre os espetáculos que a natureza proporciona em Alter do Chão está o encontro das águas dos rios Tapajós e Amazonas. As águas cristalinas do Tapajós se encontram com as águas barrentas do Amazonas, mas não se misturam, oferecendo aos visitantes momentos inesquecíveis de ser contemplar. O Rio Tapajós é o único entre os afluentes do Amazonas com águas cristalinas.

Localizada na margem direita do Tapajós, Alter do Chão fica cerca de 30 km de Santarém. O acesso é pela PA-457, que está pavimentada. Os visitantes também podem chegar até a vila de barco. O acesso por via fluvial leva cerca de 3 horas, pelo rio Tapajós.

Atrações variadas

Chegando na vila, os turistas podem fazer caminhadas ecológicas e visitar áreas onde avistam com tranquilamente os botos, espécie de golfinho de água doce. Alter do Chão tem boa infraestrutura turística, formada com boas pousadas e hotéis, postos de saúde, restaurantes, praias com barracas de comidas típicas e agências de turismo. A produção artística local também pode ser encontrado em lojas de artesanato, e em Alter do Chão está localizado o Centro de Preservação da Arte e Cultura Indígena, que é conhecido mundialmente como referência do legado dos povos da Amazônia.

No lugar também é possível fazer passeios de barcos e lanchas para os lagos e a Floresta Nacional do Tapajós. Um proposta interessante para o turista é ir até o Lago Verde ou ‘Mata Encantada’. De águas quentes e límpidas, no seu entorno existem praias de areia fina e branca e, assim como Alter do Chão, o lago é um exemplo de preservação ambiental.

O guia turístico Raimundo Sardinha, conhecido em toda vila como Jaca, é nativo de Alter do Chão e há 20 anos trabalha como guia no lugar. Para ele, não existe lugar mais bonito e encantador que a vila de pescadores. “Já visitei vários lugares e não tem lugar melhor que aqui. Temos o rio Tapajós de água cristalina. É sair dele sem precisar entrar no chuveiro”, comenta Jaca. O guia, famoso e procurado em Alter do Chão por conhecer todos os lugares da ilha, sustenta toda a família com o que ganha com turismo. Casado e pai de três filhos, Jaca garante que não pensa em deixar Alter do Chão. Vai continuar trabalhando com amor  e dedicação.

História
Alter do Chão foi fundada no dia 06 de março de 1626, pelo português Pedro Teixeira. É a antiga aldeia dos Borari, que com a chegada dos jesuítas recebeu o nome de Missão de Nossa Senhora da Purificação. Como foi se desenvolvendo rapidamente, foi elevada à vila e em seis de março de 1758, por Francisco Xavier de Mendonça Furtado, recebeu o nome de Alter do Chão. O nome é de origem portuguesa.

Com a beleza e o crescimento da vila, o lugar ao longo dos anos foi ganhando estrutura e encantando os visitantes e nativos. Hoje Alter do Chão é um dos lugares mais visitados do Pará.

Lago Verde

O passeio de canoa pelo lago verde, também conhecido como a ‘Floresta Encantada’ não pode falta no roteiro de passeio à Alter do Chão. Trata-se de mata de igapó que fica inundada durante seis meses por ano. O Lago Verde muda de cor durante o dia, de azul para verde. O passeio faz parte de um dos mais importantes roteiros de ecoturismo local e pode ser realizado entre os meses de fevereiro e julho.

Praia do Cajueiro

A praia do Cajueiro fica a dez minutos do centro da vila. Com estrutura para receber os turistas, no local podem ser encontrados os famosos bolinhos de piracuí e o tucunaré na chapa.

Praia de Ponta das Pedras

A praia de Ponta de Pedras fica cerca de 23 km da vila. Para chegar até lá basta seguir pelas Rodovias Fernando Guilhon e Everaldo Martins, que são pavimentadas. O acesso também pode ser feito pelo rio Tapajós. De formações rochosas, possui estrutura com barracas para a venda de comidas e bebidas.

Ilha do Amor

A praia Ilha do Amor é o cartão-postal da cidade, fica em frente à vila de Alter do Chão. Os visitantes fazem a travessia em barquinhos a remo. Em apenas cinco minutos os turistas podem desfrutar da beleza do lugar. Somente em novembro, quando as águas baixam é que é possível chegar até lá andando.

Ponta do Cururu

Próxima da Vila de Alter do Chão, está localizada na margem direita do rio Tapajós. Ela é para quem gosta de um lugar mais tranquilo, já que a praia é deserta e não oferece infraestrutura turística.

Sairé
Uma das festas culturais e religiosas mais tradicionais da Vila de Alter do Chão é o Sairé. Para ser ter uma ideia a festa religiosa é realizada desde o século 18. Na programação, procissões e manifestações folclóricas ao ritmo de carimbó. A festa é realizada na segunda quinzena de setembro. O ponto alto da programação é no Sairódromo, arena onde acontece a disputa entre os blocos que representam os botos Cor-de-Rosa e Tucuxi.

A apresentação dos botos é um espetáculo, onde duas associações de Alter do Chão contam a lenda do boto – um jovem e belo rapaz de vestes brancas e chapéu de palha na cabeça, que seduz a mais bela cabloca ou cunhâ – como são chamadas as moças da região. Todos os anos as associações escolhem uma temática para nortear a história da lenda amazônica do boto.
O Sairé é a mais antiga manifestação cultural da Amazônia. É uma mistura de religião e cultura, que conta com apresentações de danças, teatro, ladainhas, e tantas outras programações que encantam os turistas nacionais e internacionais.

Floresta Nacional do Tapajós

Depois de tomar banho nas águas do rio Tapajós, que é ácida por tanto repele os insetos, quem quiser pode fazer trilha, tomar banho de igarapé e conhecer as comunidades ribeirinhas que habitam a Floresta Nacional do Tapajós Unidade de Conservação, o passeio precisa ser autorizado pelo Plano de Manejo da Unidade. As áreas permitidas para a visitação são Área Administrativa, Corredor Ecológico, Área Populacional, Área de Manejo Florestal Madeireiro, Área de Manejo Florestal não-madeireiro.

Chegando na Floresta, passeio que só pode ser feito com um guia turístico, o visitante pode aproveitar para fazer caminhadas, tomar banhos nos igarapés, visita áreas de projetos comunitários e de pesquisa, fazer passeios de canoa, e tantos outras atividades.

O acesso à Floresta Nacional do Tapajós somente de carro com tração, barco ou ônibus.
Gastronomia
A especialidade em Alter do Chão são os peixes dos rios Tapajós e Amazonas, como Tucunaré, pirarucu, tambaqui e surubim. Todos são servidos na chapa, na manteiga, em forma de moqueca ou à escabeche. O lema na vila é peixe, de todas as formas e sabores. Um evento que movimenta a vila durante o verão amazônico é a Piracaia – peixe assado na brasa, e servido com farinha de mandioca e pimenta. O evento acontece nas noites de lua cheia na praia do Cajueiro.

Acesso à internet

Apesar da tranquilidade e de carros não terem acesso às suas praias, Alter do Chão está conectada com o mundo não apenas pela visita de turistas estrangeiros, mas por ter acesso à internet. Foi instalado na vila dois pontos de acesso à internet. Um na Praça do Sairódromo, onde acontece a disputa entre os botos do Sairé, e outro na orla da Praia Ilha do Amor. Os pontos possibilitam o acesso em um raio de até 150 metros.

Os visitantes da Ilha do Amor, localizada em frente à vila de Alter-do-Chão, também podem acessar a internet já que grande parte da Ilha está coberta com tecnologia Wi-Fi. Moradores e turistas podem acessar a rede através de computadores ou qualquer dispositivo móvel, como celulares e tablets. O acesso é totalmente gratuito, e permite que os turistas compartilhem, em tempo real, a beleza do local através das redes sociais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here