Desvende o paraíso de CAVALCANTE, na Chapada dos Veadeiros

0
115

Cidade tranquila, no interior de Goiás, Cavalcante além de guardar paraísos naturais espetaculares, como a Cachoeira Santa Bárbara, uma das mais belas do Brasil, também possui uma rica história cultural.

Ecoturismo, turismo de aventura e turismo cultural se encontram em Cavalcante, município que abriga quase 70% da área total do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, unidade de conservação brasileira de proteção integral à natureza e Patrimônio Mundial da UNESCO. Cachoeiras, serras, rios e cânions fazem o cenário da cidade, onde o Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga, a maior comunidade quilombola do País, também está abrigado.

Menos badalada que Alto Paraíso e a vila de São Jorge, Cavalcante possui muitas belezas escondidas em sua região ainda pouco exploradas. Além da vasta área do Parque da Chapada dos Veadeiros, a cidade possui mais de 200 cachoeiras catalogadas e espalhadas por fazendas e terras dos Kalungas. Cavalcante ainda tem um enorme potencial turístico para ser explorado.

Cachoeira Santa Bárbara

A Cachoeira Santa Bárbara é o cartão postal da Chapada dos Veadeiros, liderando o ranking de pontos turísticos mais visitados na região. A beleza de suas águas cristalinas e do poço azul intenso atrai turistas do mundo inteiro, não é à toa que ela está entre as cachoeiras mais bonitas do Brasil. Devido ao grande fluxo de pessoas, só é permitido permanecer nessa cachoeira durante o tempo máximo de 60 minutos.

A cachoeira está localizada no Engenho II, onde vive a comunidade quilombola Kalunga. São 27 km em estrada de chão a partir de Cavalcante e mais 1,8 km de caminhada tranquila.

Cachoeira da Capivara

A Cachoeira da Capivara também pertence ao povoado Kalunga e a visita pode ser feita com o mesmo guia que leva à Cachoeira Santa Bárbara. Sua beleza está em sua singularidade. Ao longo do caminho de 800 metros encontramos diversas piscinas naturais, mas a surpresa está no final da trilha, quando chegamos ao poço maior e notamos que ele é formado por duas cachoeiras. A maior é a da Capivara e a menor, que fica à esquerda, é formada pelo Rio Tiririca.

Sentado nas pedras ou nadando nas águas geladas é possível admirar um belíssimo mirante com vista para o Vão das Almas. Aqui não há tempo máximo de permanência, dá para relaxar a vontade.

Cachoeira Candaru

É a terceira cachoeira dentro do quilombo Kalunga no Engenho II, mas pouco frequentada pelos turistas dado o seu grau intermediário de dificuldade. A trilha tem 2,5 km e exige bom condicionamento físico, no entanto, cada passo é recompensado quando se está diante da queda de 70 metros.

Vá sem pressa e aprecie a beleza do caminho, cercado de plantas nativas, flores exóticas e paredões de pedras.

Poço encantado

O Poço Encantado está localizado na Fazenda Rio de Pedra, em Teresina de Goiás, a 22km de Cavalcante. Cuidado para não confundi-lo este com o Poço Encantado que fica na Fazenda Veredas.

O lugar recebeu esse nome por causa de histórias contadas pelos antigos moradores da fazenda, que diziam haver um diamante no fundo do poço. De qualquer forma, ele faz jus ao nome que tem, pois é um lugar mágico, com belíssimas cachoeiras de águas cristalinas e uma pequena praia de água doce cercada por vegetação típica do cerrado.

 Cachoeira Boa Brisa

Cachoeira Boa Brisa é dividida em duas quedas deslumbrantes com cerca de 15 metros de altura e poços apropriados para banho. Está localizada no povoado São Domingos, a 65km de Cavalcante, seguindo a mesma estrada que leva à Cachoeira Santa Bárbara.

A trilha é longa, tem 6km, mas não requer muito preparo físico. A recompensa pelo esforço virá com um revigorante banho em meio à natureza intocada com cânions e veredas de buritis, longe de qualquer tumulto.

 Quilombo Kalunga

Além é claro das belíssimas cachoeiras, Cavalcante também guarda uma rica história cultural. A cidade abriga grande parte do Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga, a maior comunidade remanescente de quilombos do Brasil. Formado a mais de 300 anos, o povo dos Kalungas, só entraram em contato com a sociedade a aproximadamente 30 anos. Segundo histórias, até então, além de desconhecerem o dinheiro, eles nem sabiam que já tinha acabado a escravidão. Ou seja, quando viam algum homem branco, se escondiam com medo de serem escravizados.

A taxa de visitação para entrar no Quilombo e conhecer suas cachoeiras é R$ 20,00 por dia. O valor do guia varia de R$ 70,00 a R$100,00 para um grupo até 8 pessoas para conhecer até duas cachoeiras.

Ponte de Pedra

Conhecer a imponente Ponte de Pedra é para os fortes. Para chegar até lá é necessário percorrer 10km de estrada de chão até a Fazenda Renascer e assim partir para a trilha de 6km. Há trechos íngremes que exigem habilidade, além de um guia muito bem preparado, mas a recompensa chega junto com a vista do arco de 30 metros que passa por cima do Rio São Domingos.

A Ponte de Pedra é um divisor natural do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, já que está situado na borda norte da reserva. Em frente ao arco, o Rio São Domingos despenca em uma cachoeira de 100 metros de altura, que pode ser vista nos mirantes.

Mirante Nova Aurora

Mirante Nova Aurora fica na estrada que leva ao povoado Kalunga do Engenho II. É fácil encontrá-lo, pois há sinalização e um pequeno estacionamento. De lá é possível ver Cavalcante, as serras, depressões, paredões rochosos, veredas de buritis e algumas fazendas. Vale a pena conhecer na volta do passeio. O pôr do sol visto do mirante é um espetáculo à parte.

Cachoeira Canjica

Para chegar até a Cachoeira Canjica (também conhecida como Salto do Canjica) é necessário percorrer 75km em estrada de terra e prosseguir a pé por uma trilha de 2km que perpassa o Rio Lage, com diversas quedas e poços para banho, sendo que a maior delas chega a 60 metros de altura e é agraciada com um mirante natural.

Vale das Araras

O Vale das Araras é uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) onde funciona uma pousada que prioriza a sustentabilidade. Pagando uma única taxa de R$15 é possível fazer quatro rotas diferentes: a trilha do ouro (onde há resquícios de um canal construído pelos bandeirasntes), trilha do recanto das pedras, trilha das araras (que leva à Cachoeira São Bartolomeu) e a trilha do Poço do Buriti.

O ideal é chegar cedo para aproveitar tudo que o espaço tem a oferecer. Você passará por paisagens típicas do cerrado, atravessará trilhas suspensas, mergulhará em águas límpidas e ainda poderá ir ao mirante para avistar animais silvestres. É um lugar que definitivamente não pode ficar de fora da lista de quem procura o que fazer em Cavalcante.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here